terça-feira, 9 de dezembro de 2008

A UNÇÃO DE ELIAS




O julgamento de Deus será de acordo com seu padrão de justiça e não o nosso.

"Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR; ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição " (Ml 4.5,6).

O dia do Senhor
O grande e terrível dia do Senhor - a segunda vinda de Cristo - talvez esteja mais perto do que eu e você pensamos. Deus está dizendo que enviará o profeta Elias antes do dia da vinda do Senhor. Será um grande dia para os fiéis e servos sábios do Se¬nhor e um terrível dia para aqueles que nunca receberam o Evan¬gelho de Cristo e que foram insensatos e perversos. Estes são aque¬les que, ainda que conhecessem a vontade de Deus, não a cumpri¬riam! Isto é ilustrado nas seguintes palavras de Jesus:

"Disse o Senhor: Quem é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor confiará os seus conservos para dar-lhes o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo as¬sim. Verdadeiramente, vos digo que lhe confiará todos os seus bens. Mas, se aquele servo disser consigo mesmo: Meu senhor tarda em vir, e passar a espancar os criados e as criadas, a comer, a beber e a embriagar-se, virá o senhor daquele servo, em dia em que não o espera e em hora que não sabe, e castigá-lo-á, lançando-lhe a sorte com os infi¬éis. Aquele servo, porém, que conheceu a vontade de seu senhor e não se aprontou, nem fez segundo a sua vontade será punido com muitos açoites. Aquele, porém, que não soube a vontade do seu senhor e fez coisas dignas de repro¬vação levará poucos açoites. Mas àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão" (Lc 12.42-48).

O grande e terrível dia do Senhor é o seu retorno para executar o julgamento. O julgamento de Deus será de acordo com o seu padrão de justiça, não o nosso. Nesse dia, "A arrogância do homem será abatida, e a sua altivez será humilhada; só o SENHOR será exaltado naquele dia. Os ídolos serão de todo destruídos" (Is 2.17, 18). E um dia de vingança do orgulho e desobediência do homem, mesmo que no momento a arrogância e a rebelião pareçam não ser notadas ou punidas e até galardoadas.
Muitos hoje são derrotados. Eles vivem para si mesmos mas crêem que estão vivendo retamente diante de Deus. A dureza do coração deles fez com que perdessem o temor de Deus. A respeito disso lemos: "... virão escarnecedores com os seus escárnios, andando segundo as próprias paixões e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, to¬das as coisas permanecem como desde o princípio da criação " (2 Pe 3.3, 4). Estes homens e mulheres andam de acordo com os seus próprios desejos e não de acordo com os desejos de Deus. Muitas atividades suas são até mesmo feitas em nome do cristianismo. O padrão deles não é Jesus; eles se comparam uns com os outros. A aceitação da sociedade é o padrão deles. O pensamento deles 6 o seguinte: "Por que eu deveria viver um estilo de vida santo quando muitos na Igreja não vivem dessa maneira e caminham sem punição alguma? Na verdade, eles até parecem prosperar naquilo que fazem. Por que eu deveria colocar sobre mim um jugo desnecessário'?"
O Senhor se levantará em juízo, dizendo: "Por muito tem¬po me calei, estive em silêncio e me contive; mas agora darei gritos como a parturiente, e ao mesmo tempo ofegarei, e estarei esbaforido. Os montes e os outeiros devastarei..." (Is 42.14, 15) Deus tem estado quieto e distanciou-se por um longo tempo. O propósito desta demora é a salvação. Muitos retornarão ao Senhor nessa época, enquanto outros irão se endurecer ainda mais ao recusarem o seu chamado. Para estes, o dia do Senhor virá ines¬peradamente.

"Pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. Quan¬do andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes so¬brevirá repentina destruição, como vêm as dores do parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão " (1Ts 5.2,3).

O dia do Senhor virá como nos dias de Ló. Sodoma e Gomorra eram cidades frutíferas e sem ausência de alimento e moradia. Não havia nenhum sinal de julgamento iminente. Tudo tinha sido o mesmo como foi para com seus antepassados. "... comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam" (Lc 17.28). Eles foram apanhados totalmente despercebidos. Eles devem ter pensado que Deus não havia notado a condição do cora¬ção deles e seus caminhos perversos.
Ló estava até despercebido quanto ao julgamento vindou¬ro. Ló poderia representar os cristãos carnais. Percebemos isto pelo lugar onde ele escolheu morar (entre os habitantes de Sodoma e Gomorra), o tipo de esposa que ele tinha e os filhos de quem ele era pai através do incesto - os moabitas e os amonitas. Em con¬traste, Abraão escolheu viver uma vida separada. Ele estava bus¬cando a cidade cujo construtor e edificador era Deus. Ló escolheu ter comunhão com os ímpios, ao invés de viver uma vida separa¬da. A influência dos ímpios certamente começou a produzir frutos nele e em sua família. Os seus valores e padrões não eram mais ditados por Deus, mas pela sociedade ao redor dele. Ló se tornou "... afligido pelo procedimento libertino daqueles insubordina¬dos (porque este justo, pelo que via e ouvia quando habitava entre eles, atormentava a sua alma justa, cada dia, por causa das obras iníquas daqueles)" (2 Pe 2.7, 8).
O dia do julgamento teria vindo sobre ele como um ladrão durante a noite, se não fosse pelos mensageiros que Deus enviara para adverti-lo. Porém, mesmo com esta advertência do julgamento, sua esposa escolheu olhar para trás, porque ela tinha sido tão in¬fluenciada pelo mundo que não temia mais o Senhor. Esta é a ra¬zão pela qual Jesus nos adverte, dizendo: "Lembrai-vos da mu¬lher de Ló. Quem quiser preservar a sua vida perdê-lá-á; e quem a perder de fato a salvará" (Lc 17.32, 33).

Elias vem primeiro
Deus disse que enviaria o profeta Elias antes do grande e terrível dia do Senhor. Este Elias que está para vir não é o Elias de 1 e 2 Reis reencarnado. O texto não está se referindo a um homem histórico e nem está limitado a um mero homem. Ao contrário, descreve o verdadeiro significado de "Elias". Para explicar, a pa¬lavra Elias vem de duas palavras hebraicas el e Yahh. El significa "poder ou força" e Yahh, o próprio nome do verdadeiro Deus Jeová. Colocando-os juntos, chegamos a "poder ou força de Jeová, o ver¬dadeiro Deus". Então, o que Malaquias estava dizendo era que, anterior ao dia do Senhor, Deus enviaria um manto ou uma unção profética na força e no poder do verdadeiro Deus.
Antes da primeira vinda de Jesus, o anjo Gabriel apareceu a Zacarias, o pai de João Batista, e descreveu o chamado na vida de seu filho, como se segue:

"E converterá muitos dos filhos de Israel ao Se¬nhor, seu Deus. E irá adiante do Senhor no espírito e poder de Elias, para converter o coração dos pais aos filhos, con¬verter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para o Senhor um povo preparado" (Lc 1.16, 17).

João era o profeta Elias enviado para preparar o caminho' do Senhor anterior à primeira vinda de Jesus. Ele era a voz do que clama no deserto: "Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas" (Mc 1.3). O impulso de seu ministério era tornar o coração dos filhos de Israel de volta para Deus; sua mensagem: "Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus" (Mt 3.2). Arrependimento significa uma mudança de coração, não apenas uma mudança de ação. As ações dos filhos de Israel eram muito religiosas, mas o coração deles estava longe de Deus. Milhares frequentavam as sinagogas fielmente, inconscientes da verdadeira condição de seus corações. Então Deus levantou o profeta João para expor a real condição do coração deles. João declarou à mul¬tidão: "Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira [julga¬mento] vindoura? Produzi, pois, frutos dignos do arrependimento e não comeceis a dizer entre vós mesmos: Temos por pai a Abraão..." Lc 3.7, 8).
Ele expôs o engano no qual seus corações estavam firma¬dos. Eles criam que eram justificados porque eram filhos de Abraão e por causa de sua fidelidade na frequência à sinagoga e na entrega dos dízimos. João não foi enviado aos gentios que nunca haviam confessado conhecer Deus; ele foi enviado para despertar as "ove¬lhas perdidas" da casa de Israel, e prepará-las para receberem Jesus.
João Batista cumpriu as profecias de Elias para os seus dias antes da primeira vinda do Senhor Jesus. Todavia, Malaquias profetizou que esta unção seria enviada antes do grande e terrível dia do Senhor. Isto significa que havia dois diferentes cumprimen¬tos da profecia. Isto é explicado através do seguinte texto bíblico:

"Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro e aos irmãos Tiago e João e os levou, em particular, a um alto monte. E foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele" (Mt 17.1-3).

É digno de nota que a face de Jesus brilhava como o sol, que as suas vestes tornaram-se brancas como a luz e Moisés e Elias apareceram e conversaram com Ele. Quando Jesus retornar naquele grande e terrível dia, em seu corpo glorificado, Ele irá governar e reinar por mil anos sobre a Terra em seu corpo glorifi¬cado, e os seus santos irão governar com Ele. Continuando os ver¬sos bíblicos, lemos:

"E, descendo eles do monte, ordenou-lhes Jesus: A ninguém conteis a visão, até que o Filho do Homem res¬suscite dentre os mortos. Mas os discípulos o interroga¬ram: Por que dizem, pois, os escribas ser necessário que Elias venha primeiro ? Então, Jesus respondeu: De fato, Elias virá e restaurará todas as coisas. Eu, porém, vos declaro que Elias já veio, e não o reconheceram; antes, fizeram com ele tudo quanto quiseram. Assim também o Filho do Homem há de padecer nas mãos deles. Então, os discípulos entenderam que lhes falara a respeito de João Batista" (Mt 17.9-13).

Jesus falou isto depois que João tinha sido decapitado. Notemos que ele se refere a dois diferentes períodos de tempo da unção de Elias: futuro {virá) e passado (já veio).
Anterior à segunda vinda de Jesus Cristo, uma vez mais Deus irá levantar uma unção profética. Todavia, dessa vez o man¬to não cairá sobre um homem apenas, mas sobre, um grupo de profetas, homens e mulheres ungidos no corpo de Cristo. No livro de Atos, Pedro citou o profeta Joel:

"... vossos filhos e vossas filhas profetizarão... até sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e profetizarão... antes que venha o grande e glorioso Dia do Senhor" (At 2.17-20).

Uma das definições da palavra "profecia" na língua grega, nos versos acima, é "falar sob divina inspiração". Como podemos notar, esta unção para falar o que Deus colocar em nossos cora¬ções não será limitada apenas ao ministério profético, mas virá sobre pastores, professores, evangelistas e apóstolos. Virá sobre aqueles ministros que seguirão a Deus completamente, que não estão preocupados em construir seus próprios ministérios e que não são intimidados pelas opiniões de homens ou de organiza¬ções. Esta unção também virá sobre os remanescentes, homens e mulheres, que seguirão a Deus de todo o coração sem temer o homem. Jovens que, embora não estejam no ministério de tempo integral, vão fluir nesta unção que irá cair sobre o povo remanes¬cente na Igreja. Estes não dobrarão seus joelhos em compromisso com o mundo, mas prepararão a Igreja para o retorno do Senhor.
Como João Batista, estes profetas Elias vão buscar as ove¬lhas perdidas que se decepcionaram com a estrutura da Igreja, as¬sim como aquelas que se afastaram por causa de alguma ofensa. Há muitos que frequentam a igreja e se sentem prontos para o retorno de Jesus. Como as pessoas no tempo de João Batista, eles crêem que pelas suas obras, boa conduta, frequência à igreja, dízimos ou pelo fato de que um dia fizeram a oração de entrega a Cristo, são justificados. Eles podem até crer que são justificados, mas a verdade é que eles não estão prontos para a volta de Jesus.
Há ministros que vivem aquém do padrão que Deus esta¬beleceu para eles. Suas vidas estão cheias de ambição e de prazer. Eles usam o ministério para servir a si mesmos e a seus próprios alvos. Alguns vivem como hipócritas; ignoram e atemorizam suas famílias. Contudo, na igreja, agem espiritualmente e com amor. Tais líderes não podem continuar de pé. Eles podem parecer fir¬mes por algum tempo, mas cedo ou tarde serão apanhados por seus próprios erros. Da mesma forma, os líderes religiosos da época de João criam que, através do serviço, do treinamento, das experiên¬cias e da boa amizade com os colegas de ministério e com as organizações, eles seriam justos aos olhos de Deus. Ou, talvez porque muitos seguem o ministério deles, crêem que Deus os tem aprovado. Os fariseus tinham um grande número de seguidores até que a Palavra do Senhor veio a João no deserto e eles os deixa¬ram. Então estes ministros hipócritas vieram ouvir o que Deus estava dizendo através de um homem que entregou não apenas sua boca para Deus, mas também sua vida inteira!
Sim, o dia do Senhor virá sobre os ministros que são arro¬gantes e orgulhosos. Na verdade vai começar com eles. Haverá um esquadrinhamento de suas vidas privadas e de seus motivos. Eles também pensaram que, "desde que seus pais dormiram, tudo permanece o mesmo". Ministros do Senhor, esvaziem os seus co¬rações agora para que vocês possam cumprir o chamado de Deus em suas vidas e assim escaparem do julgamento dele.
Antes que o leitor prossiga para o próximo capítulo, quero encorajá-lo a ler a introdução, caso ainda não o tenha feito. A mensagem deste livro é forte. Mas é forte para salvar vidas e não para destruí-las. É forte para salvar ministros, não para destruí-los. Ela até pode remover as partes de seu ministério que foram edificadas pela força da carne. Mas lembre-se: Deus não destrói ou corta pela raiz ou arrasa nossas vidas e ministérios sem edificar e plantar algo novo em seu lugar. A mensagem deste livro é a mensagem sobre o amor e a misericórdia de Deus, Ele nos adverte para que não sejamos julgados com o mundo, como a vida de Ló!

Nenhum comentário: